Sete países da Europa oriental entram para a Otan

Prometendo enfrentar os novos desafios mundiais na área de segurança, terrorismo e Estados rebeldes, os sete novos países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) assumiram formalmente suas funções na aliança militar. Os ministros das Relações Exteriores da Eslováquia, Eslovênia, Letônia, Lituânia, Bulgária e Romênia foram recepcionados pelo secretário-geral da Otan, o holandês Jaap de Hoop Scheffer, e os chanceleres dos demais 19 países-membros Aliança Atlântica em sua sede de Bruxelas.Os sete novos sócios - a exemplo de Polônia, Hungria e República Checa, que se incorporaram à Otan em 1999 - pertenciam à órbita da antiga União Soviética. "Vamos integrar a Otan numa época muito diferente de há 50 anos; o mundo mudou e é normal que a Aliança enfrente novos desafios e também mude", comentou o chanceler eslovaco, Eduard Kukan. "Estamos dispostos a assumir toda a responsabilidade", acrescentou.Com a expansão para a Europa Oriental, a Otan tem agora um novo vizinho: a Rússia, que não esconde sua preocupação. Hoje, o secretário-geral, Jaap de Hoop Scheffer, reuniu-se logo depois da solenidade de posse dos novos associados com o chanceler russo, Serguei Lavrov, para "dissipar definitivamente os temores de Moscou".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.