Russell Cheyne / Reuters
Russell Cheyne / Reuters

Sete políticos britânicos deixam Partido Trabalhista por divergências sobre Brexit

Parlamentares trabalhistas estão descontentes com a direção do partido sob a liderança de Jeremy Corbyn

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2019 | 07h49

LONDRES - Sete parlamentares do Partido Trabalhista deixaram a maior sigla de oposição do Reino Unido nesta segunda-feira, 18, em razão abordagem do líder Jeremy Corbyn para a separação britânica da União Europeia e acusações de antissemitismo, dizendo que o partido foi “sequestrado pela política de maquinações da extrema esquerda”. 

A saída do grupo pequeno de parlamentares sublinha a frustração crescente com a relutância de Corbyn em mudar a estratégia para o Brexit e iniciar a campanha para um segundo referendo sobre a filiação de Londres à UE.

Faltando só 39 dias para o Reino Unido sair do bloco, sua maior guinada em política externa e comercial em mais de 40 anos, as divisões sobre o Brexit fragmentaram a política britânica, rompendo as fileiras partidárias tradicionais e criando novas coalizões na lacuna que separa esquerda e direita.

“O Partido Trabalhista ao qual nos filiamos, pelo qual fizemos campanha e no qual acreditávamos não é mais o Partido Trabalhista de hoje. Fizemos tudo que podíamos para salvá-lo, mas ele foi sequestrado pela política de maquinações da extrema esquerda”, disse a parlamentar Chris Leslie em uma coletiva de imprensa.

“Os indícios da traição do Partido Trabalhista na Europa agora são visíveis para todos. Oferecendo-se para permitir o Brexit deste governo, refreando-se constantemente de permitir ao público a palavra final.”

Os sete parlamentares são Luciana Berger, Chris Leslie, Angela Smith, Gavin Shuker, Chuka Umunna, Mike Gapes e Ann Coffey. Eles continuarão a atuar no Parlamento como “O Grupo Independente”.

Os trabalhistas conquistaram 262 assentos na eleição de 2017.

Uma fonte partidária próxima do grupo disse que os rompimentos desta segunda-feira poderiam desencadear uma segunda onda de desfiliações.

Corbyn disse em um comunicado: “Estou decepcionado por esses parlamentares não terem se sentido capazes de continuar a trabalhar juntos pelas diretrizes trabalhistas que inspiraram milhões na última eleição”.

Até agora ele se ateve à proposta trabalhista de manter a opção de um segundo referendo “na mesa” caso o governo da primeira-ministra britânica, Theresa May, não consiga fechar um acordo com Bruxelas que o Parlamento possa aprovar.

Sua primeira escolha é uma nova eleição, mas ele também pediu a May que mude suas “linhas vermelhas” e acolha seu plano para uma união alfandegária permanente com a UE – algo que a premiê vem se recusando a fazer.

Corbyn, um ativista veterano pela paz, também foi acusado por alguns parlamentares de fracassar em combater o antissemitismo no partido, uma alegação que tem perseguido o político pró-palestinos desde que ele se tornou líder em 2015.

Corbyn nega que tenha permitido que o antissemitismo crescesse no Partido Trabalhista e se comprometeu a acabar com ele. / REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.