Seul aceita proposta de diálogo com Coreia do Norte

Sul-coreanos condicionaram conversa à discussão de naufrágio de navio e bombardeio de ilha.

BBC Brasil, BBC

20 de janeiro de 2011 | 16h12

Na quarta, China e EUA pediram que as Coreias voltem a dialogar

A Coreia do Sul anunciou nesta quinta-feira que concordou em discutir questões militares com a Coreia do Norte, após meses de tensão entre os dois países.

Seul disse que aceitaria negociar apenas se o Norte concordasse em discutir dois pontos polêmicos, o naufrágio de um navio sul-coreano e o bombardeamento de uma ilha do Sul.

O governo de Pyongyang nega que tenha afundado o navio Cheonan, em março, e afirma que foi provocado a atacar a ilha de Yeonpyeong em novembro.

Uma investigação internacional culpou a Coreia do Norte pelo naufrágio, que causou a morte de 46 pessoas. O ataque às ilhas, no qual quatro pessoas morreram, é considerado o primeiro ataque a uma área civil desde a guerra das Coreias, em 1953.

Seul respondeu ao bombardeio realizando exercícios militares na fronteira entre os dois países.

O ministro da Unificação sul-coreano disse que Seul aceitou a proposta de diálogo de Pyongyang, mas acrescentou que o Norte deve dar garantias de que vai "tomar medidas responsáveis" em relação aos dois incidentes.

Nuclear

Na quarta-feira, China e Estados Unidos pediram para que os dois lados voltem a dialogar.

Os países estão envolvidos nas negociações sobre o programa nuclear norte-coreano.

Pyongyang deixou as negociações em abril de 2009, pouco antes de realizar um teste nuclear.

Seul disse que proporá ao Norte a retomada das negociações para a desnuclearização da Península Coreana.

O correspondente da BBC em Seul, Nick Ravenscroft, disse que as negociações são menos do que o pedido de desculpas exigido pela Coreia do Sul, mas representam algum avanço.

Ele diz que nas próximas semanas devem ocorrer reuniões preparatórias para subsequentes discussões entre integrantes do alto escalão, sejam eles militares ou funcionários dos governos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.