AP Photo/Lee Jin-man
AP Photo/Lee Jin-man

Seul acusa Coreia do Norte de testar dois mísseis de médio alcance

Lançamentos - um fracassado e o outro ainda sob análise -, segundo Ministério da Defesa sul-coreano, foram realizados com intervalo de menos de 2 horas; Otan critica ação, que viola sanções da ONU

O Estado de S. Paulo

22 Junho 2016 | 10h49

SEUL - A Coreia do Norte disparou nesta quarta-feira, 22, dois mísseis de médio alcance Musudan com intervalo de menos de 2 horas entre os testes, de acordo com informações do Ministério da Defesa da vizinha Coreia do Sul.

O segundo lançamento foi realizado às 7h30 (20h de terça-feira em Brasília), após uma primeira tentativa fracassada, declarou um porta-voz de Defesa de Seul. "Por enquanto estamos tentando confirmar se o segundo lançamento teve êxito ou foi um fracasso como os anteriores", afirmou.

O segundo míssil percorreu cerca de 400 quilômetros desde a sua decolagem, informou em comunicado o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas da Coreia do Sul, sem especificar se considera um sucesso ou um fracasso.

As forças militares conjuntas da Coreia do Sul e Estados Unidos estão realizando "uma análise mais precisa" para descobrir detalhes da ação e apresentar uma avaliação, afirmou o comando do Exército.

O regime de Kim Jong-un realizou desde o último mês de abril até o final de maio quatro lançamentos fracassados do Musudan, aos quais se soma a primeira tentativa infrutífera de hoje.

As forças armadas da vizinha Coreia do Sul elevaram sua postura de alerta e observam de perto os movimentos da Coreia do Norte, acrescentou o porta-voz de Defesa.

Enquanto isso, o Ministério da Unificação qualificou as ações do país vizinho como uma "clara provocação contra a Coreia do Sul" e lembrou que "qualquer lançamento de um projétil com tecnologia de mísseis balísticos viola as resoluções impostas (a Coreia do Norte) pelo Conselho de Segurança da ONU", disse seu porta-voz.

O governo sul-coreano estima que a Coreia do Norte possui aproximadamente 50 unidades deste míssil, um novo projétil cujo alcance de até 4 mil quilômetros lhe permitiria pôr no ponto de mira a base americana de Guam no Pacífico.

O novo lançamento acontece em um momento de relativa calma na península de Coreia, depois que Pyongyang realizou em março e abril vários testes bem sucedidos de mísseis de curto e médio alcance. 

Reação. O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, condenou nesta quarta-feira os novos lançamentos de mísseis de médio alcance executados pela Coreia do Norte e disse que Pyongyang realiza "ações provocadoras" que solapam a segurança e o diálogo internacional.

"Os lançamentos constituem uma violação direta de várias resoluções das Nações Unidas", sustentou Stoltenberg em comunicado, no qual lembrou que entre essas resoluções se encontra a 2270, adotada em 2 de março deste ano.

O secretário-geral ressaltou que a Aliança Atlântica segue pedindo à Coreia do Norte que cumpra plenamente com suas obrigações sob o direito internacional, assim como que não caia em ameaças com sua conduta ou com o uso deste tipo de tecnologia balística e que não realize mais "ações provocadoras".

A Coreia do Norte disparou desde seu litoral oriental um segundo míssil de médio alcance Musudan por volta das 7h30 local de hoje (20h, em Brasília de terça-feira), pouco após realizar um primeiro lançamento sem sucesso desde a cidade de Wonsan (sudeste), segundo informou o Ministério da Defesa da vizinha Coreia do Sul. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.