Seul ameaça adotar linha dura com Tóquio por ilhas Dokdo

O presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, disse nesta terça-feira que seu governo está disposto a adotar uma linha dura com o Japão caso Tóquio mantenha sua reivindicação sobre as ilhas de Dokdo, cuja soberania é disputada pelos dois países. Roh afirmou em reunião com políticos sul-coreanos que está disposto a deixar para trás a "política diplomática tranqüila" mantida há décadas com Tóquio em relação a esta disputa territorial. O mandatário sul-coreano denunciou também o plano do Japão de realizar explorações marinhas em uma região que a Coréia do Sul reivindica como de sua exclusiva jurisdição. No final da colonização japonesa sobre a península coreana em 1945, com a derrota de Tóquio na 2ª Guerra Mundial, o governo sul-coreano proclamou sua soberania sobre estas pequenas ilhas inabitadas e anos depois estabeleceu no local um posto da guarda costeira. Um navio japonês chegou nesta terça-feira à região das ilhas Dokdo, que também são conhecidas como Takeshima, em japonês, para realizar uma série de pesquisas sobre o fundo do mar, cujas conclusões serão apresentadas em uma conferência internacional que será realizada no mês de junho. A ação do Japão responde a uma iniciativa similar realizada pela Coréia do Sul, mas isso gerou uma nova onda de críticas e ameaças sul-coreanas. "As crescentes provocações do Japão em torno das ilhas Dokdo estão de acordo com sua contínua distorção da história comum dos dois países e as repetidas visitas de seus líderes ao templo de Yasukuni", disse Roh. O presidente sul-coreano se referia às visitas realizadas pelo primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, ao templo xintoísta de Yasukuni, em Tóquio, dedicado a memória de 2,5 milhões de mortos em combate, entre eles 14 criminosos de guerra. Coréia do Sul, China e outros países asiáticos acusam o Japão de ter se esquecido dos crimes cometidos por seu Exército nos anos 30 e 40 do século passado, quando o Japão se lançou à conquista de boa parte do Leste da Ásia. O governo sul-coreano manifestou, em numerosas ocasiões, que as reivindicações japonesas sobre Dokdo são fruto de um neocolonialismo exercido pelo Japão. Outro lado Tóquio, por sua vez, acusa Seul de utilizar a desculpa das ilhas Dokdo para aumentar o sentimento antinipônico dos coreanos e assim maquiar os numerosos problemas políticos e de corrupção que a Coréia do Sul enfrenta. Os políticos japoneses, além disso, declaram que com sua pretensa soberania sobre as ilhas Dokdo, a Coréia do Sul tenta estender suas águas territoriais para o leste, em direção ao Japão. O ministro de Relações Exteriores sul-coreano, Ban Ki-moon, disse nesta terça-feira que, caso seja necessário, a soberania das ilhas terá prioridade sobre as próprias relações com o Japão, em apoio às declarações de Roh sobre um eventual endurecimento da política aplicada ao país vizinho. Ban indicou que seu país não descartava utilizar as Dokdo como o ponto de começo de suas águas territoriais, afirmações que confirmaram os temores da classe política japonesa a esse respeito. No dia 22 de fevereiro o problema das Dokdo se agravou quando os habitantes de Shimane, no oeste do Japão, celebraram o primeiro "Dia de Takeshima", em homenagem a este grupo de ilhas e lembraram a lei que, nessa mesma data em 1905, estabeleceu que as ilhas eram parte desta província japonesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.