AFP PHOTO / ED JONES
AFP PHOTO / ED JONES

Seul amplia alerta após teste norte-coreano

Governo da Coreia do Sul considera experimento 'imprudente e irresponsável'

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

21 Maio 2017 | 20h06

A Coreia do Norte lançou neste domingo, 21, um míssil de médio alcance a partir da base militar de Pukchang, no oeste do país. Na Coreia do Sul o experimento, definido como “imprudente e irresponsável”, provocou a elevação do grau de alerta das Forças Armadas para o nível quatro, apenas um abaixo do grau máximo.

Há três semanas, opera regularmente nos arredores da capital, Seul, o avançado sistema americano antimísseis, o Thaad, capaz de interceptar ataques balísticos a 150 quilômetros de altura em um raio de 200 quilômetros.

O voo do míssil de ontem cobriu pouco menos de 500 quilômetros. O veículo, provavelmente um Kn-17, não chegou a atingir os 1.000 quilômetros de altitude antes de iniciar a descida, o que poderia indicar uma falha no teste. De acordo com o ministro da Defesa do Japão, Tomomi Inada, citado em nota do governo, o ensaio ficou abaixo da eficiência demonstrada no disparo da semana passada, quando o foguete subiu a 2.117 quilômetros - altura adequada a trajetórias de longo percurso.

Também ontem foi anunciada a entrada na zona de exclusão aérea de 550 quilômetros do porta-aviões CVN-70 Carl Vinson, do Grupo de Ataque 5, do porta-aviões CVN-76 Ronald Reagan. A princípio, as duas flotilhas manobrariam em conjunto por uma semana, executando principalmente operações de lançamento e recuperação de aeronaves dia e noite, ação complexa sob as condições atmosféricas que mudam rapidamente na região.

Agora, diferente disso, foi decidido que as forças-tarefa permanecerão na área. Em conjunto, reúnem enorme poder de fogo: 180 aviões e helicópteros, dois cruzadores e quatro destróieres lançadores de mísseis Tomahawk ou Harpoon, e ao menos dois submarinos de ataque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.