Seul avaliará segurança para sul-coreanos no Afeganistão

Cerca de cem sul-coreanos vivem no país, entre empresários, pessoal da Embaixada e membros de ONGs

EFE

16 de setembro de 2007 | 04h20

Uma missão do Governo de Seul viajará no próximo ao Afeganistão para determinar se é seguro que cerca de cem civis sul-coreanos continuem vivendo nesse país, informou neste domingo a agência local "Yonhap". A delegação será formada por representantes de vários ministérios, entre eles o de Exteriores e do Serviço Nacional de Inteligência, e será enviada no início de outubro. No dia 19 de julho foram seqüestrados 23 missionários sul-coreanos pelos talebans, que mataram dois e retiveram o restante durante quase três semanas, antes de libertá-los. Durante esse tempo, o Governo sul-coreano proibiu viagens de seus cidadãos ao Afeganistão. A crise dos reféns acabou depois de o Governo de Seul acordar com os talebans a retirada antes do fim deste ano de seus 200 militares nesse país e o retorno à Coréia do Sul de seus missionários. Atualmente, cerca de cem sul-coreanos vivem no Afeganistão, entre empresários, pessoal da Embaixada e membros de ONGs.

Tudo o que sabemos sobre:
SeulAfeganistãoreféns

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.