Yonhap/Reuters
Yonhap/Reuters

Seul busca mais de 280 desaparecidos de naufrágio que já registrou 9 mortes

Navio saiu de Incheon em direção ao sul do país levando 475 pessoas, entre as quais 325 estudantes do ensino médio que iam para um resort na Ilha de Jeju

O Estado de S. Paulo,

16 de abril de 2014 | 02h57

(Atualizada às 23h30) SEUL - Autoridades sul-coreanas buscam mais de 280 desaparecidos no naufrágio de um navio ocorrido na manhã de quarta-feira, 16, (noite de terça-feira no Brasil) - havia pelo menos nove mortos, entre os quais três estudantes de 17 anos e uma tripulante. A maior parte das vítimas era de jovens alunos do ensino médio, de acordo com o governo.

Lee Gyeong-og, vice-ministro de Segurança e da Administração Pública, disse nesta quarta que 169 mergulhadores da Guarda Costeira e da Marinha trabalhavam no local, mas as operações estavam sendo prejudicadas em razão de correntes fortes e da péssima visibilidade submarina - 16 helicópteros e 34 navios foram deslocados para a área.

Entre os passageiros do ferry Sewol, havia 325 estudantes e 14 professores da escola de ensino médio Danwon, em Ansan, ao sul de Seul - 77 deles foram resgatados, segundo as autoridades. Os estudantes viajavam para um resort na ilha de Jeju, onde deveriam chegar para uma estadia de quatro dias. Segundo o governo, ao todo, 179 passageiros e tripulantes haviam sido resgatados.

Levando em conta o número de mortos, isso deixaria 287 pessoas - das 475 a bordo - desparecidas. Mais cedo, o Ministério de Segurança e da Administração Pública havia divulgado diferentes números, incluindo uma quantidade muito menor de desaparecidos. Os números desencontrados foram atribuídos a relatos confusos no local.

A embarcação emitiu um alerta às 9h de quarta-feira (21h de terça-feira, em Brasília), depois de começar a se inclinar. O estudante Lim Hyung-min disse à rede de televisão YTN que ele e outros alunos saltaram no mar com coletes salva-vidas e nadaram até um bote.

Kim Seong-mok, também em entrevista à emissora, disse que algumas pessoas ficaram presas porque a inundação foi muito rápida e a inclinação impediu alguns passageiros de alcançar as saídas. Kim disse que estava tomando café da manhã quando sentiu a balsa inclinar e, então, ouviu uma batida. Ele escutou o anúncio para que todos os passageiros esperassem e não se movessem, mas não lembra de ter recebido alerta para os passageiros abandonarem o navio.

A temperatura da água estava a cerca de 13º C, o suficiente para provocar hipotermia depois de uma permanência de 90 a 120 minutos, segundo um funcionário da equipe de resgate. "Precisamos fazer o possível para resgatar até mesmo os passageiros e estudantes que não escaparam do navio", disse a presidente sul-coreana, Park Geun-hye. / AP E NYT

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.