Seul condiciona ajuda à Coréia do Norte à abertura de diálogo

O ministro da Unificação disse que ajudará seu vizinho, a Coréia do Norte, a construir estradas e ferrovias

EFE,

31 de dezembro de 2008 | 03h11

A Coréia do Sul não dará ajuda à Coréia do Norte para melhorar sua deteriorada economia a menos que o regime comunista aceite sua oferta de diálogo, assegurou nesta quarta-feira, o ministro da Unificação sul-coreano, Kim Ha-joong. Kim apresentou um relatório ao presidente da Coréia do Sul, Lee Myung-bak, sobre as metas de seu Ministério para 2009, segundo informa a agência de notícias sul-coreana "Yonhap". "Enquanto a Coréia do Norte não mostrar uma mudança em sua atitude, a situação seguirá sendo a mesma", frisou Kim. O ministro da Unificação especificou que a Coréia do Sul ajudará seu vizinho do Norte a construir estradas e ferrovias e a desenvolver minas a fim de impulsionar sua pobre economia, mas só caso se alcance "progresso nas relações bilaterais". Desde que Lee Myung-bak chegou ao Governo em fevereiro passado, as relações entre as duas Coréias pioraram, já que ele defende uma linha dura, contrária a oferecer ajuda ao regime de Pyongyang até que cesse seu processo de nuclearização. Em 2008, Seul não concedeu ajudas a Pyongyang, ao contrário do que ocorreu no ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
SEUL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.