Seul e Cabul prosseguem esforços para libertar reféns

Segundo porta-voz taleban, rebeldes aceitam se reunir com delegação sul-coreana para solucionar a questão

Efe,

03 de agosto de 2007 | 03h13

Representantes dos governos do Afeganistão e da Coréia do Sul continuam nesta sexta-feira, 3, os esforços para obter a libertação dos 21 reféns seqüestrados por talebans, um dia depois de os rebeldes aceitarem abrir negociações diretas com delegados sul-coreanos. Os seqüestradores falaram na quinta-feira por telefone com o embaixador sul-coreano em Cabul. Segundo afirmou à Efe um porta-voz taleban, o diplomata prometeu tentar convencer Cabul e Washington a aceitar as suas exigências. O porta-voz também disse que os rebeldes tinham aceitado um encontro com a delegação sul-coreana, mas não informou quando nem onde será feita a reunião. Na quinta-feira, a Coréia do Sul e os Estados Unidos acertaram não utilizar a força para libertar os reféns. O seqüestro do grupo de sul-coreanos completou duas na quinta-feira. Os insurgentes reivindicam a libertação de vários presos da prisão de Pul-e-Charkhi, nos arredores de Cabul, em troca dos 21 sul-coreanos que ainda estão vivos. Os seqüestradores executaram o líder do grupo, o pastor Bae Hyung-kyu, de 42 anos, e também Shing Sun-min, de 29. Segundo os talebans, os reféns foram executados porque o governo afegão não tinha respondido "positivamente" a suas reivindicações. Os sul-coreanos são voluntários cristãos que foram capturados pelos rebeldes quando viajavam pela província de Ghazni.

Tudo o que sabemos sobre:
Talebansul-coreanosrefénsseqüestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.