Seul e Pequim concordam em retomar diálogo nuclear com a Coréia do Norte

Coréia do Sul e China concordaram emimpulsionar o reatamento das conversações multilaterais sobre o programa nuclear norte-coreano, que se encontram estagnadas há quaseum ano devido ao boicote de Pyongyang. Fontes do governo sul-coreano citadas pela agência de notícias Yonhap indicaram que o acordo foi alcançado durante reunião realizada em Seul entre o ministro da Unificação da Coréia do Sul,Lee Jong-seok, e o representante máximo da China nesse diálogo nuclear, Wu Dawei. As partes analisaram uma forma de conseguir a volta da Coréia do Norte à mesa de negociações, destinada a marcar a pauta de um eventual desarmamento nuclear do regime comunista. A Coréia do Norte retomou em 2002 a produção de materialdestinado à fabricação de bombas atômicas, e em fevereiro de 2005 anunciou que já possuía este tipo de artefato de destruição em massa. Em agosto de 2003, começaram as reuniões de seis lados entre as duas Coréias, os Estados Unidos, a Rússia, a China e o Japão sobre o programa nuclear norte-coreano. Após cinco encontros pouco produtivos em Pequim, a Coréia doNorte se retirou em novembro passado da mesa de conversações devido a sanções que os EUA impuseram um mês antes a várias instituiçõesfinanceiras acusadas de lavagem de dinheiro, e que mantinhamexcelentes relações com a cúpula de poder norte-coreano. Na reunião de Seul realizada neste domingo, a China reiterou seu apoio à recente iniciativa apresentada pelos Estados Unidos e Coréia doSul para retomar o diálogo multilateral. O enviado chinês, que é vice-ministro de Assuntos Exteriores, chegou à capital japonesa na sexta-feira passada e já havia se reunido com o emissário sul-coreano no processo de diálogo nuclear, Chung Yung-wo. Durante esta estadia, Wu se encontrou também com o ministro de Exteriores da Coréia do Sul, Ban Ki-moon, para discutir a questão nuclear norte-coreana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.