Ahn Young-joon/AP
Ahn Young-joon/AP

Seul enviará chefe de inteligência e assessor de segurança a Pyongyang

O objetivo da missão é seguir fomentando a aproximação entre os dois países e posteriormente conseguir um diálogo com os Estados Unidos

EFE

04 Março 2018 | 04h24

SEUL - O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, escolheu o diretor do Serviço Nacional de Inteligência, Suh Hoon, e seu conselheiro de segurança, Chung Eui-yong, para viajarem a Pyongyang em breve, segundo antecipou uma fonte do governo.

O escritório presidencial sul-coreano deve anunciar nas próximas horas oficialmente os representantes de Moon para viajar à capital norte-coreana com o objetivo de seguir fomentando a aproximação entre os dois países e posteriormente conseguir um diálogo com os Estados Unidos.

A missão será conferida a Suh e Chung, que teriam previsto ir à Coreia do Norte nesta mesma semana, segundo revelou uma fonte presidencial à agência sul-coreana Yonhap.

+++ Coreia do Norte quer conversar com EUA

A expectativa é que os representantes de Seul entreguem uma carta de Moon para Kim Jong-un e analisem a recente oferta do líder norte-coreano de realizar uma cúpula, segundo detalhou a agência.

Com 30 anos nas costas em diferentes setores do Serviço Nacional de Inteligência, Suh foi fundamental ao tramitar as duas cúpulas intercoreanas que ocorreram em Pyongyang em 2000 e 2007.

Chung, o principal assessor de segurança de Moon, desempenhou um grande papel para manter uma estreita coordenação com o general H.R. McMaster, o conselheiro de segurança nacional do presidente dos EUA, Donald Trump.

+++ Coreia do Norte diz que testou bomba de hidrogênio e amplia tensão com EUA

O plano de Seul de enviar um representante a Pyongyang foi comunicado nesta quinta-feira por Moon a Trump, uma missão de alto nível que procura dar reciprocidade à visita ao Sul da enviada especial norte-coreana Kim Yo-jong, irmã do líder norte-coreano, por causa da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang.

Kim Yo-jong transmitiu a Moon um convite para viajar a Pyongyang e realizar a primeira cúpula intercoreana em mais de uma década. Na semana passada, outra delegação norte-coreana que visitou o Sul para o encerramento dos Jogos assegurou que o Norte está aberto a dialogar com os EUA.

Moon está confiante que a atual aproximação entre as duas Coreias pode servir para que Washington e Pyongyang se sentem para conversar após um 2017 marcado pelos contínuos testes de armas do regime norte-coreano e a troca de ameaças com Donald Trump. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.