Seul espera medidas 'apropiadas' da ONU sobre Pyongyang a respeito de naufrágio

Coreia do Sul acusa vizinha do norte de ter afundado um navio em março

estadão.com.br,

14 de junho de 2010 | 20h06

NOVA YORK- A Coreia do Sul espera que o Conselho de Segurança da ONU tome as medidas "oportunas e apropriadas" contra Pyongyang, devido ao naufrágio de um de seus navios de guerra que uma investigação vinculou a um torpedo norte-coreano, disse nesta segunda-feira, 14, um diplomata sul-coreano em nova York, segundo a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkSeul acusa Pyongyang de violar histórica declaração de reconciliação

 

"Esperamos que (...) o Conselho de Segurança tome as medidas oportunas e apropriadas em resposta à provocação da Coreia do Norte", disse à imprensa Yoon Duk-yong, professor do Instituto de Ciências e Tecnologia Avançadas da Coreia do Sul e membro de uma delegação do governo de Seul que apresentou um informe sobre o naufrágio de 26 de março na ONU.

 

As Coreias do Norte e do Sul falaram separadamente na segunda ao Conselho de Segurança da ONU a respeito do naufrágio da embarcação que elevou o grau de tensão entre os dois países vizinhos, disse uma fonte oficial.

 

Já se esperava que o Sul se pronunciasse nesta semana, e então o Norte pediu ao México, que preside o Conselho neste mês, para também se dirigir ao grupo, segundo relato feito em Seul por um porta-voz da chancelaria sul-coreana. "É nossa compreensão que tal oportunidade foi concedida", disse ele.

 

Uma comissão internacional concluiu que a corveta Cheonan, que deixou 46 mortos ao afundar no Mar Amarelo, foi atingida por um torpedo proveniente de um torpedo da Coreia do Norte.

 

"Identificamos o torpedo como um modelo 'CHT02D' norte-coreano, com base em fragmentos recuperados, inclusive elementos de propulsão", garantiu Yoon.

 

Pyongyang desmentiu sua responsabilidade no incidente, um dos mais graves entre os dois países desde o armistício da Guerra da Coreia (1950-1953), cujo tratado de paz nunca chegou a ser firmado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.