Jo Yong-Hak/Reuters
Jo Yong-Hak/Reuters

Seul não descarta mina norte-coreana como causa de naufrágio

Artefato bélico que provocou explosão seria da época da Guerra da Coreia, na década de 1950

Efe

29 de março de 2010 | 09h56

O ministro da Defesa sul-coreano, Kim Tae-young, anunciou nesta segunda-feira, 29, a possibilidade de uma mina norte-coreana da época da Guerra da Coreia (1950-53) ter causado a explosão que provocou o naufrágio de um navio do país na sexta-feira passada.

 

Veja também:

linkCoreia do Sul faz buscas por sobreviventes de naufrágio  

linkCoreia do Norte faz advertência por turismo na fronteira com a Coreia do Sul 

linkNavio sul-coreano dispara contra embarcação

 

"Existe a possibilidade de uma mina norte-coreana ter chegado a águas sul-coreanas", disse o ministro à comissão de Defesa do Parlamento, segundo a agência local "Yonhap".

 

As autoridades militares da Coreia do Sul intensificaram hoje as buscas pelos 46 desaparecidos no afundamento da embarcação, cuja popa foi encontrada por mergulhadores a 40 metros de profundidade.

 

O navio "Cheonan", de 1.200 toneladas e com 104 tripulantes a bordo, afundou na noite de sexta-feira, em uma área do Mar Amarelo próxima à fronteira com Coreia do Norte.

 

As causas da explosão responsável pelo naufrágio ainda não foram esclarecidas. Ao todo, 58 marinheiros foram resgatados em um primeiro momento, entre eles o capitão do navio.

 

Segundo o ministro da Defesa sul-coreano, a Coreia do Norte comprou cerca de 4 mil minas marinhas da extinta União Soviética (URSS) durante a Guerra da Coreia (1950-1953), das quais aproximadamente 3 mil ainda estariam espalhadas no Mar Amarelo (Mar Ocidental) e no Mar do Japão (Mar do Leste).

 

Segundo Kim, nem todas as minas foram eliminadas após a Guerra da Coreia, apesar de muitas terem sido retiradas do mar.

 

O ministro disse ainda o explosivo responsável pelo naufrágio não era da Coreia do Sul e que também não há indícios de que a explosão foi causada por um torpedo lançado de um navio da Coreia do Norte.

 

Segundo as autoridades militares, a explosão partiu o casco da embarcação em dois. A popa afundou em poucos minutos, enquanto a outra metade permaneceu sobre a água por cerca de três horas.

 

Especialistas disseram que os desaparecidos conseguiriam sobreviver 69 horas dentro de compartimentos fechado do casco que afundou. Mas esse prazo terminou nesta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.