Seul ordena 'reforço' em ilhas próximas à Coreia do Norte

Objetivo da medida é evitar saída de sul-coreanos da região próxima à fronteira

Efe

07 de dezembro de 2010 | 08h41

SEUL - O presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, ordenou nesta terça-feira, 7, uma "fortificação" nas cinco ilhas sul-coreanas próximas ao território norte-coreano para evitar um êxodo de habitantes após o ataque do Exército comunista a Yeonpyeong em 23 de novembro.

 

Veja também:

video Vídeo: Veja imagens do ataque norte-coreano

blog  Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países

 

"Os ministérios devem avançar em uma gradual fortificação (das ilhas) e cooperar na criação de empregos para que os residentes continuem lá", indicou o presidente Lee em reunião com seu gabinete, segundo informou a Casa Presidencial sul-coreana.

 

Em 23 de novembro, a ilha sul-coreana de Yeonpyeong, onde residiam cerca de 1.700 civis, foi atacada por fogo de artilharia norte-coreano, o que deixou mortos dois militares e dois civis, além de muitos danos e da evacuação de quase todos os habitantes.

 

O pedido de Lee foi originado pelos temores de que as ilhas sul-coreanas do Mar Amarelo próximas à Coreia do Norte sofram um grande êxodo, já que alguns residentes da região, que depende da pesca, exigem medidas para que sejam transferidos a outras zonas sem a ameaça de um ataque norte-coreano.

 

O Exército sul-coreano já começou a aumentar a presença de armamento e pessoal na ilha de Yeonpyeong para responder de maneira mais contundente a futuras provocações do regime de Kim Jong-il, algo que prevê estender a outros territórios próximos à costa norte-coreana.

 

O governo sul-coreano aprovou na segunda-feira uma verba de 30 bilhões de wons (19 milhões de euros) para alojar refugiados da ilha de Yeonpyeong e reconstruir edifícios destruídos pelo bombardeio.

 

Após o ataque a Yeonpyeong, Seul decidiu aumentar os treinamentos a civis para responder em casos de emergência ou perante um possível ataque, segundo informou a Agência Nacional de Gestão de Emergências.

 

Anualmente, os homens que têm entre 20 e 40 anos e não prestam o serviço militar obrigatório são submetidos a sessões de instruções com vídeos, mas a partir de 2012 terão que realizar exercícios de sobrevivência e emergências em centros de treinamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.