Seul pede a Pyongyang para libertar marinheiros presos

Autoridades norte-coreanas ainda não notificaram os vizinhos sobre a detenção do barco com os sul-coreanos e chineses

Efe,

11 de agosto de 2010 | 02h44

SEUL - A Coreia do Sul fez um pedido oficial a Coreia do Norte para libertar sete marinheiros de um pesqueiro sul-coreano supostamente capturado no domingo pelas autoridades norte-coreanas no litoral oriental da península, informou na terça-feira, 11, a agência local Yonhap.

Seul entregou esta mensagem a Coreia do Norte através da linha de comunicação militar entre os dois países, e Pyongyang a recebeu, segundo a porta-voz do Ministério da Unificação da Coreia do Sul, Lee Jong-joo.

Na mensagem, dirigida ao presidente da Cruz Vermelha da Coreia do Norte, os sul-coreanos pedem a entrega do navio e de sua tripulação, de acordo com as leis internacionais e os direitos humanos, enquanto pediu uma explicação sobre as circunstâncias em que aconteceu a detenção.

Até agora, a Coreia do Norte não notificou os vizinhos do sul sobre a detenção do barco, embora a guarda litorânea sul-coreana garanta que ela aconteceu.

O pesqueiro Daeseung 55, com quatro sul-coreanos e três chineses a bordo, foi detido neste domingo quando supostamente navegava perto das águas da Zona Econômica Exclusiva (EZZ) da Coreia do Norte no Mar do Leste (Mar do Japão).

Acredita-se que o navio foi levado ao porto norte-coreano de Sungjin, na província de Hamkyong (norte do país), enquanto a guarda litorânea sul-coreana tenta esclarecer se o barco do país violou a zona econômica exclusiva da Coreia do Norte.

O incidente ocorre em momentos de forte tensão entre as duas Coreias, por conta do afundamento em março do navio de guerra sul-coreano Cheonan, atribuído a um ataque de um torpedo da Coreia do Norte.

Pyongyang realizou na segunda-feira mais de 100 disparos de artilharia no litoral ocidental da península em resposta às manobras militares que Seul desenvolveu na zona nos últimos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.