Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Seul pode retirar trabalhadores de parque industrial

A Coreia do Sul está preparada para retirar centenas de seus cidadãos que trabalham no parque industrial, localizado em território norte-coreano, embora Seul não veja necessidade de tomar a medida no momento, informou nesta sexta-feira o ministro sul-coreano para Reunificação, Ryoo Kihl-jae.

Agência Estado

05 de abril de 2013 | 09h17

Há dois dias a Coreia do Norte impede a entrada de gerentes e de suprimentos no complexo industrial de Kaesong, que fica a 9,6 quilômetros ao norte, na fronteira entre os dois países. O parque industrial é visto como um símbolo da cooperação entre as duas Coreias.

A medida deixa ainda mais tensas as relações entre os vizinhos, na medida em que Pyongyang continua a protestar contra os exercícios militares realizados na região por Estados Unidos e Coreia do Sul e contra o apoio às sanções impostas à Coreia do Norte pelo teste nuclear realizado em 12 de fevereiro. O bloqueio elevou os temores sobre a segurança das centenas de trabalhadores sul-coreanos que ainda permanecem nas empresas, mas até agora Pyongyang não impediu a saída desses funcionários.

"Se a situação exigir, estamos prontos para retirar os trabalhadores para um local seguro", declarou Ryoo aos jornalistas. "No que diz respeito à segurança dos funcionários, avaliamos que a situação não é muito perigosa, então podemos dizer que ainda não estamos considerando a hipótese de retirá-los de lá neste momento", afirmou.

Ryoo disse que o bloqueio é muito mais sério do que a proibição imposta durante três dias em 2009, também em protesto contra os exercícios militares conjuntos de Seul e Washington. "Um incidente semelhante ocorreu em 2009, mas a diferença é que o bloqueio (atual) ocorre depois de um teste nuclear norte-coreano e a anulação do acordo de armistício (da Guerra da Coreia) em 11 de março", disse ele. "Além disso, há a ameaça contra a Coreia do Sul e os Estados Unidos, então, há uma grande diferença." As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.