Seul rejeita ir a Haia sobre disputa de ilhas com Japão

A Coreia do Sul enviou hoje um documento diplomático rejeitando a proposta do Japão para que os dois países recorram a um tribunal internacional a fim de resolverem a questão sobre algumas ilhas em disputa, informaram as autoridades.

Agência Estado

30 de agosto de 2012 | 01h34

A Coreia do Sul, na semana passada, recebeu uma "nota verbal" do Japão, sugerindo que ambas as partes se submetessem conjuntamente à Corte Internacional de Justiça, com sede em Haia, para liquidar a questão. A resposta de Seul foi entregue hoje a um diplomata japonês em Seul, afirmou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, recusando-se a dar mais detalhes.

O documento esclarece a posição de Seul de que não existem disputas territoriais sobre as ilhas no Mar do Japão (Mar do Leste), conhecido internacionalmente como as ilhas Liancourt, Dokdo, em coreano e Takeshima, em japonês, informou a agência de notícias "Yonhap". As relações entre os dois países pioraram desde que o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, fez, em 10 de agosto, uma visita de surpresa às ilhas controladas por Seul.

O Japão cancelou uma reunião de ministros de Finanças prevista para este mês, e disse que iria rever um acordo de swap cambial com Seul, numa demonstração de que a questão das ilhas pode se estender para o campo econômico. Tóquio também deu a entender que poderia congelar seu plano de comprar títulos do governo sul-coreano.

O primeiro-ministro japonês, Yoshihiko Noda, afirmou na semana passada que a Coreia do Sul fez "ocupação ilegal" das ilhas, depois que Seul enviou de volta a carta dirigida ao presidente sul-coreano, registrada por correio, sem ao menos lê-la. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do SulJapãodisputailhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.