Sharon admite Palestina restrita

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, reafirmou ontem, em entrevistas publicadas em vários diários do país, que está disposto a "permitir" a criação de um Estado palestino independente, mas sua idéia sobre o que seria o território da nação difere muito pouco da área que hoje a Autoridade Palestina (AP) controla. Ele disse que só aspira a um acordo de paz interino e concordaria com a criação da Palestina apenas depois que terminar a intifada (levante contra a ocupação israelense). Sharon reiterou que não pretende remover nenhuma das cerca de 250 colônias judaicas construídas na Faixa de Gaza e na Cisjordânia depois que Israel ocupou em 1967 essas regiões e Jerusalém Oriental - a parte árabe da cidade.Leia mais no site do Estado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.