Sharon apóia diplomata que atentou contra obra de arte

O premier israelense Ariel Sharon saiu em defesa do embaixador de seu país na Suécia, Zvi Mazel, que ontem danificou uma obra de arte num museu de Estocolmo por achar que o trabalho era anti-semita e favorável aos homens-bomba palestinos. Sharon disse aos membros do seu gabinete que agradecia Mazel por ?sua força no trato com o crescente anti-semitismo?. Ele disse também que o governo de Israel o apóia integralmente. Mazel atirou um refletor de luz sobre a obra Snow White and the Madness of Truth (Branca de Neve e a Loucura da Verdade). Criada pelo isralense Dror Feiler, a obra mostra um pequeno barco carregando a figura de Hanadi Jaradat, mulher-bomba que se explodiu em Haifa, matando 21 pessoas, no ano passado. O barco com sua imagem flutuava sobre uma piscina de líqüido vermelho, alusão óbvia ao sangue. O embaixador explicou suas razões para atentar contra a obra de Feiler. ?Esta exposição foi o ápice de dúzias de eventos anti-Israel e anti-judeus na Suécia. Quando você não protesta fica pior e pior. Isso tinha que ser parado de alguma forma, mesmo que desviando do comportamento diplomático?. Mazel acha que o anti-semitismo está em ascenção na Europa. ?Estamos nos anos 30 agora, este é o sentimento de muitos de nós que conhecemos história. Há um sentimento em muitas pessoas, eu incluído, de que uma tragédia pode estar se aproximando?, disse. Mazel foi visto pelo sistema de vídeo interno do museu agitando-se e arrancando os cabos de iluminação da obra em questão. Antes de ser expulso, disse a quem estava lá que Jaradat ?matou 21 de meus irmãos e irmãs?. Ainda que Sharon o tenha apoiado, a líder judia na Suécia Lena Pozner reprovou sua conduta. ?Na Suécia, a liberdade de um artista se expressar é mais importante do que uma reação individual?, ela disse. Moshe Zimmermann, professor de história européia na Universidade Hebraica de Jerusalém, diz que enquanto muçulmanos na Europa adotam slogans anti-semitas, ?não há uma grande onda anti-semita entre europeus?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.