Sharon apresenta versão revisada do plano da saida de Gaza

Três semanas depois da rejeição de sua primeira proposta de retirada unilateral da Faixa de Gaza por membros de seu partido, o Likud, o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, apresentou hoje (23) uma versão revisada do plano inicial. Sharon reuniu-se com a cúpula militar e apresentou o novo plano, elaborado por Giora Eiland, seu conselheiro de segurança nacional, que estabelece um desmantelamento gradual dos assentamentos judaicos em Gaza e na Cisjordânia. A proposta original que previa a desocupação simultânea de todos os 21 assentamentos em Gaza e de outros, menores, na Cisjordânia, havia sido vetada também por "ministros duros" do gabinete de Sharon. Pela nova versão, os assentamentos isolados de Morag e Kafur Darom, em Gaza, seriam os primeiros a serem desativados, seguindo-se depois os de Gus Katif, também em Gaza, e os quatro da Cisjordânia. O documento prevê ainda a demolição de todas as casas existentes nos assentamentos, preservando-se, no entanto, as obras de infra-estrutura. Na proposta anterior, as casas seriam entregues a refugiados palestinos - medida que havia sido rechaçada pelos judeus radicais. A Autoridade Palestina rejeitou hoje oferta israelense de indenizar palestinos que tiveram suas casas destruídas na operação Arco-Íris em Rafah e outras áreas palestinas, que, segundo fontes palestinas, deixou pelo menos 41 mortos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.