Sharon defende ataques aéreos contra palestinos

O primeiro ministro de Israel, Ariel Sharon, respondeu às críticas pelos ataques aéreos realizados contra palestinos, afirmando que Israel fará o que for necessário para proteger seu povo. Ele se reuniu com os ministros de seu gabinete neste domingo, após o fim de semana em que seis israelenses e 16 palestinos foram mortos, incluindo um ataque suicida em que uma bomba explodiu em um centro de compras em Israel na manhã de sexta-feira.Em reunião no Cairo, ontem, ministros árabes pediram aos governos da região que suspendessem contatos políticos com Israel até que cessem as ações militares contra os palestinos. O presidente egípcio, Hosni Mubarak, disse que seu país e a Jordânia não pouparão esforços para reativar as negociações de paz entre árabes e israelenses.Em Israel, políticos e analistas questionaram se as represálias contra o ataque de sexta-feira, que incluíram pela primeira vez em 34 anos bombardeios com aviões militares, tiveram algum efeito. "Faremos o que for necessário e usaremos tudo o que está a nosso alcance para proteger os cidadãos de Israel", disse Sharon ao jornal Yediot Ahronot, deendendo sua decisão. "Os americanos entendem que não podemos tolerar mais."Israel tem dado indícios de que espera por uma intervenção americana. O ministro da Defesa, Binyamin Bem-Eliezer pediu ao país para fazer todo o esforço para convencer o líder palestino Yasser Arafat a cessar a violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.