Sharon fala em fim do domínio sobre os palestinos

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, surpreendeu seus compatriotas ao afirmar que está determinado a obter um acordo de paz e a acabar com 36 anos de domínio israelense sobre os palestinos. Foi a primeira vez que o líder - que durante anos se opôs à criação de um Estado palestino - utilizou em público a palavra "ocupação" para referir-se à presença militar do Estado judeu na Cisjordânia e na Faixa de Gaza."Manter 3,5 milhões de pessoas sob ocupação é ruim para nós e ruim para eles", disse ele a colegas enfurecidos do Partido Likud, em declarações transmitidas pela Rádio Israel. O termo "ocupação" é anátema para a direita israelense, que acredita ser legítima a reivindicação de Israel sobre a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, por motivos religiosos e de segurança.Os palestinos reivindicam toda a Cisjordânia e toda a Faixa de Gaza para o estabelecimento de um Estado soberano e independente.Em resposta aos críticos internos de seu partido, Sharon disse estar comprometido com a procura de uma solução pacífica para o conflito entre israelenses e palestinos. "Isso não pode continuar até o fim dos tempos. Vocês querem ficar para sempre em Ramallah, Jenin, Nablus?", perguntou ele aos legisladores do Likud, citando algumas das principais cidades palestinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.