Sharon insiste que vai "remover" Arafat

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, considera-se livre da promessa feita aos EUA de não tomar nenhuma medida que pudesse pôr em risco a integridade física do presidente da Autoridade Palestina (AP), Yasser Arafat. Sharon deixou claro em entrevista ao diário israelense Yedioth Ahronoth sua determinação de um dia "remover" Arafat. Ele ressalvou que Israel levará em consideração as objeções do governo americano. "Mas eu repito e enfatizo: a decisão fundamental de remover Arafat já foi tomada por Israel." A decisão de "remover" Arafaf - termo que poderia significar expulsão, captura ou assassinato, segundo informações obtidas pela imprensa local - foi adotada pelo gabinete de segurança israelense no início deste mês, fato que provocou forte reação da comunidade internacional, incluindo os EUA. Sharon argumentou ter feito a promessa a Bush num momento em que Arafat se comprometera com o diálogo. "Hoje, os americanos também sabem que enquanto este homem estiver por perto não há possibilidade de alcançar um acordo. A decisão do governo é uma espécie de cancelamento da promessa que eu fiz."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.