Sharon pede sete dias de "calma absoluta"

O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, pediu sete dias de "calma absoluta" na Cisjordânia e na Faixa de Gaza para que palestinos e israelenses possam colocar em prática o "Plan Tenet", informou nesta quarta-feira uma rádio de Israel. A preocupação de Sharon para que durante uma semana a violência no Oriente Médio seja cessada acontece um dia depois do ministro do Exterior de Israel, Shimon Peres, declarar em um aentrevista que já é tempo de colocar em prática o Plano Tenet. Este plano foi desenvolvido no ano passado pelo chefe da CIA, dos Estados Unidos, George Tenet, com o objetivo de controlar a violência entre palestinos e israelenses a partir de metas estabelecidas e um plano de paz divido em várias etapas. Segundo informou o jornal Haaretz, "Fontes oficias do primeiro-ministro" israelense acreditam que a Autoridade Nacional Palestina (ANP), de Yasser Arafat, não está dando "passos significativos" contra as organizações militares palestinas, como Israel e a comunidade internacional haviam pedido. Além disso, Sharon ordenou que os bloqueios em várias cidades palestinas nos territórios da Cisjordânia e Faixa de Gaza sejam menos severos para que os palestinos possam circular com mais liberdade. Esta medida acontece um dia antes do mediador americano Anthony Zinni chegar à região para retomar o esforço de paz entre os dois povos.

Agencia Estado,

02 Janeiro 2002 | 06h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.