Sharon prepara-se para assumir governo amanhã

Depois de décadas como controvertidosoldado e político, Ariel Sharon está pronto para tornar-seamanhã primeiro-ministro com a missão urgente de restaurara segurança para um Israel cada vez mais ansioso, abalado porcinco meses de violência com os palestinos.Com as conversações de paz suspensas e militantes islâmicosameaçando promover novos ataques a bomba, Sharon, de 73 anos,irá enfrentar imediatamente duras decisões sobre como lidar como levante palestino que já deixou mais de 420 mortos.Se ele reprimir duramente os árabes, com medidas ainda maisdraconianas, poderá inflamar a confrontação. Mas, se ele falharem conter a violência, poderá perder o apoio dos israelenses ede parceiros em seu amplo governo de coalizão."Faremos todos os esforços para alcançar (a paz), mas arealidade ao nosso redor nos lembra que a luta pela terra deIsrael ainda não acabou", disse Sharon hoje numa visita aonorte israelense. "Nossos vizinhos tiveram de reconhecer nossopoderio militar, mas eles ainda não reconheceram nosso direito aum país".Depois de um mês de negociações, o Partido Likud, de Sharon, eparceiros de coalizão selaram hoje um acordo para formar umgoverno de unidade nacional. O novo governo poderá contar commais de 80 dos 120 integrantes do Parlamento, ou Knesset,segundo Ruby Rivlin, um dos líderes do Likud.Sharon precisa de apenas uma maioria simples - e espera-se queele a conseguirá com facilidade - quando submeter formalmenteamanhã seu governo à aprovação do Knesset. A coalizão incluipartidos religiosos direitistas que se opõem a qualquerconcessão aos palestinos, assim como o Partido Trabalhista, decentro-esquerda, que tem liderado esforços por um acordo depaz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.