Sharon reduz retirada de Gaza para ganhar apoio

O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, planeja agora remover apenas três colônias judaicas da Faixa de Gaza e duas da Cisjordânia, informou o diário israelense Haaretz, citando fontes no governo. A idéia inicial de Sharon - rejeitada domingo num referendo de seu partido, o Likud - era desmantelar todos os 21 assentamentos na Faixa de Gaza e 4 pequenos de um total de 120 em terras cisjordanianas. Mas o plano de desengajamento - também designado plano de separação unilateral dos palestinos - foi rejeitado por 59,5% dos membros do Likud. No entanto, pesquisas de opinião indicam que, se todos os eleitores israelenses fossem consultados, 62% votariam a favor.Os membros do "quarteto" de mediadores do conflito palestino-israelense - EUA, ONU, Rússia e União Européia - pediram a retirada completa de Israel da Faixa de Gaza e salientaram que o plano de Sharon representa "uma rara oportunidade". O quarteto frisou que os temas mais sensíveis devem ser negociados entre as duas partes - numa clara condenação à declaração do presidente americano, George W. Bush, de que não será possível a remoção de todas as colônias da Cisjordânia nem a aceitação do direito de retorno dos refugiados palestinos a Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.