Sharon se desentende com representante europeu

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, e o Alto Representante para a Política Externa e Segurança Comum da União Européia, Javier Solana, não se entenderam numa reunião em Tel-Aviv. Sharon reafirmou que os países da UE se desqualificaram para assumir um papel diplomático importante no processo de paz na região por terem votado a favor de uma resolução árabe na Assembléia-Geral da ONU condenando o muro que Israel constrói na Cisjordânia. A Assembléia-Geral (cuja decisão não tem caráter obrigatório) endossou parecer da Corte Internacional de Justiça, sobre a ilegalidade do muro, pelo fato de estar sendo construído em terras ocupadas, e não no território israelense. O governo israelense alega que a obra é essencial para impedir a entrada de terr suicidas palestinos no país e dá como exemplo a drástica queda no número de atentados após sua construção."Diante da posição parcial (da UE) em relação aos problemas de segurança de Israel, será difícil cooperar e construir confiança", disse Sharon. Solana retrucou dizendo que a UE respeita o direito israelense de construir uma cerca, desde que ela seja feita em seu próprio território, e não em terras ocupadas. "O traçado da barreira não é compatível com a lei internacional", afirmou Solana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.