Sharon será transportado a sítio da família no Negev

O ex-primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, em coma desde que sofreu uma série de derrames cerebrais, em 2006, será removido do hospital Tel Hashomer, perto de Tel-Aviv, e será transportado para a fazenda da sua família, no deserto do Negev. Sharon, de 82 anos, está no hospital há mais de quatro anos.

AE, Agência Estado

11 de novembro de 2010 | 18h19

Raanan Gissin, assessor do ex-premiê, disse que "o plano é que ele volte para casa no final de semana". O diretor do hospital, doutor Zeev Rothstein, disse que Sharon se encontra em estado de "mini inconsciência, ou seja, não está inconsciente, mas tampouco está plenamente consciente. Ele necessita de ajuda para todas as suas atividades diárias" e está conectado a um respirador.

Personagem controverso e polêmico, embora muito popular em Israel, Sharon estava no auge do poder quando sofreu os derrames no começo de 2006. Meses antes, ele havia completado a retirada unilateral das tropas israelenses da Faixa de Gaza e criado o Partido Kadima (centro), devido à oposição do partido Likud (direita) ao abandono israelense da Faixa de Gaza, um território palestino. Na época, a retirada de Gaza foi uma mudança brusca da posição política de Sharon, um ex-general intransigente que lutou várias guerras contra os árabes. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Ariel SharonIsraeltransportesaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.