Shimon Peres diz que o Irã é o maior perigo do mundo

O presidente de Israel, Shimon Peres, declarou nesta terça-feira que o regime iraniano é "a maior ameaça à paz no mundo" e pediu que parlamentares da União Europeia declarem formalmente o grupo militante libanês Hezbollah como uma organização terrorista.

Agência Estado

12 de março de 2013 | 12h04

Peres está no meio de uma viagem pela Europa que parece ter dois objetivos principais: pedir ajuda para conter o Irã e convencer o bloco de que o Hezbollah é uma organização terrorista que deve ter seus ativos congelados e ser alvo de outras sanções.

Em seu discurso ao Parlamento Europeu em Estrasburgo, França, as críticas mais contundentes foram reservadas ao Irã. Ele disse que o regime iraniano ameaça a existência de Israel, contrabandeia armas para outros países para desestabilizá-los e nega o holocausto.

"Ninguém ameaça o Irã", disse ele. "O Irã ameaça os outros."

Peres disse que o mundo não deve apenas buscar interromper a produção iraniana de urânio altamente enriquecido, mas também trabalhar para controlar os meios que o Irã tem para lançar ogivas nucleares, controlando sua produção de mísseis.

"Uma bomba nuclear nas mãos de um regime irresponsável é um perigo iminente para todo o mundo", disse ele.

Os Estados Unidos e outras cinco potências ofereceram ajuda para fornecer urânio enriquecido para o reator de pesquisas iraniano em troca do alívio das sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A UE impôs sanções ao Irã, mas também colabora nas negociações internacionais que tentam provar que o programa nuclear iraniano tem objetivos apenas pacíficos. Mas o bloco está sob intensa pressão para considerar o Hezbollah um grupo terrorista desde que autoridades da Bulgária disseram que seus integrantes foram responsáveis por um ataque contra um ônibus que matou cinco turistas israelenses e um búlgaro, em julho de 2012. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.