Shimon Peres vai a Moscou discutir crise com Putin

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Shimon Peres, desembarcou hoje em Moscou, onde irá encontrar-se com o presidente russo, Vladimir Putin, para discutir o recente agravamento do conflito entre israelenses e palestinos. Contudo, em entrevista concedida no aeroporto, Peres defendeu o uso da força contra os palestinos, como o ataque de helicópteros no sábado em represália ao ataque suicida do dia anterior."Não tomamos nenhuma medida por iniciativa própria. Reagimos de acordo com as ações palestinas contra Israel, que são muito cruéis e agressivas", disse o ministro israelense. Peres espera encontrar uma solução para a atual crise com ajuda dos líderes russos. "Tomaremos todas as medidas (possíveis) para evitar que a atual situação se transforme numa guerra", disse.Com relação à declaração da Liga Árabe, que ontem recomendou que todos os governos árabes cortem o contato político com Israel, Peres disse que a decisão é muito desanimadora, porém, acrescentou que nada é capaz de desestimular os esforços israelenses pela paz. Em Jerusalém, o Ministério das Relações Exteriores de Israel divulgou uma nota na qual Peres diz que "a paz deve ser construída de forma contínua e com diálogo incessante". Em Oslo (sede dos acordos palestino-israelense de 1993 que sustentam o processo de paz), segundo ele, se estabeleceu que todos os problemas deveriam ser resolvidos ?com o diálogo e na mesa de negociações, sem recorrer ao terrorismo e à violência, assim deve ser", acrescenta a nota.Junto com os EUA, a Rússia é uma das nações patrocinadoras do processo de paz no Oriente Médio, porém, tem desempenhado até agora um papel muito menor que os norte-americanos. Peres, que foi ex-primeiro-ministro de Israel, tem destacado freqüentemente que na era pós-soviética, a Rússia tem sido uma força construtiva no Oriente Médio e que sua polícia complementa a dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.