Shinzo Abe vai passar três ou quatro dias internado

Segundo boletim médico, ele está com um problema gastrointestinal provocado pelo estresse

Efe,

13 de setembro de 2007 | 03h46

O primeiro-ministro demissionário do Japão, Shinzo Abe, permanecerá internado por pelo menos "três ou quatro dias" por causa de um problema gastrointestinal provocado pelo estresse, disse nesta quinta-feira, 13, seu médico, Norifumi Hibi. Após um mês apresentando os sintomas da doença, Abe se internou num hospital de Tóquio, um dia depois de anunciar sua renúncia à chefia do Governo japonês. Em entrevista coletiva, Hibi afirmou que o primeiro-ministro perdeu cinco quilos. Por isso recomendou que ele fosse ao hospital. Abe renunciou ao cargo de chefe do Executivo antes de completar um ano no governo. Ele era pressionado por falta de apoio, por escândalos de corrupção envolvendo vários ministros e sua falta de liderança. Esta manhã, Abe foi ao hospital da universidade Keio, no bairro de Shinjuku, em Tóquio. Os médicos decidiram que ele deveria ficar internado para se submeter a mais exames. Segundo fontes ligadas ao primeiro-ministro, citadas pela agência japonesa Kyodo, há algum tempo ele sofre uma doença estomacal. Ele tinha que se alimentar de papinhas ("porridge") e tomar soro. Abe, ao anunciar em entrevista coletiva seu abandono do cargo, exibia semblante sério e visíveis sintomas de cansaço. Ele argumentou sua retirada pela falta de confiança do povo japonês e suas dificuldades para prorrogar a Lei Antiterrorista, que permite ao Japão prestar apoio logístico aos Estados Unidos no Afeganistão. Aos 52 anos, Abe era o primeiro-ministro mais jovem das últimas seis décadas no Japão. Ele chegou ao governo com fama de "falcão" por seu ideário nacionalista e reformista. O primeiro-ministro permanecerá à frente do governo japonês até que seu partido escolha um substituto, numa votação interna fixada para 19 de setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
Shinzo AbeinternaçãoJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.