Shinzo Abe viaja pela primeira vez aos Estados Unidos

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, partiu nesta quinta-feira, 26, em sua primeira viagem como chefe de governo aos Estados Unidos, na qual deverá reforçar os laços bilaterais e de segurança.Abe já visitou vários países da União Européia (UE) e China desde que foi nomeado primeiro-ministro.Pouco antes de sua partida, ele afirmou que gostaria de manter uma "sólida" aliança entre Tóquio e Washington como base para a segurança. E acrescentou que deseja construir uma relação com o presidente americano, George Bush, na qual se possa discutir tudo "com franqueza".Em relação ao problema dos japoneses seqüestrados pela Coréia do Norte nas décadas de 70 e 80, o primeiro-ministro afirmou que deseja avançar com uma "vontade de ferro".Shinzo Abe, que se reunirá na sexta-feira, 27, em Camp David com Bush, acrescentou que durante sua viagem deseja "confirmar" que EUA e Japão vão cooperar no assunto.Durante seus contatos com as autoridades americanas Abe vai discutir ainda a polêmica sobre as escravas sexuais do Exército japonês antes e durante a Segunda Guerra Mundial.Em entrevista esta semana, Abe afirmou que o Japão apóia a declaração de 1993, na qual o governo japonês confessava a participação do Exército na escravização de mais de 200 mil mulheres de vários países asiáticos, sobretudo Coréia e China, com fins sexuais, entre 1931 e 1945.Bush e Abe também devem falar da reorganização das tropas americanas no Japão, da reconstrução do Iraque e da mudança climática.Abe e sua mulher, Akie, chegarão ainda nesta quinta-feira a Washington, onde ele se reunirá com Bush e com membros do Congresso americano.Depois dos EUA, Abe viajará ao Oriente Médio. Ele visitará cinco países árabes, dos quais o Japão é dependente para o fornecimento de energia.No dia 28, chegará à Arábia Saudita, onde se reunirá com o rei Abdullah. Depois, seguirá rumo aos Emirados Árabes Unidos, e na tarde do dia 30 chegará ao Kuwait, onde se reunirá com as tropas japonesas destacadas para apoiar a reconstrução do Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.