Siamesas guatemaltecas vivem seu primeiro dia separadas

As siamesas guatemaltecas - que passaram o primeiro ano de sua vida unidas na parte superior da cabeça - viveram nesta quarta-feira seu primeiro dia separadas. María Teresa e María de Jesús Quiej Alvarez estavam sedadas e permaneciam em estado crítico no centro médico da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). As meninas de um ano, separadas em uma operação que durou um dia inteiro e foi concluída na madrugada de terça-feira, provavelmente respirarão com ajuda de sondas durante vários dias. "Dormiram a noite inteira com fortes sedativos na unidade de terapia intensiva pediátrica", informou o porta-voz do hospital, Dan Page. "Não houve nada de inesperado durante a noite." Na manhã de terça-feira, após se completar a separação, María Teresa voltou à sala de cirurgia devido a um coágulo no cérebro, disse o neurocirurgião principal, doutor Jorge Lazareff. Cinco horas depois, ela voltou à unidade de terapia intensiva. Não há informação sobre o efeito desta segunda operação sobre o estado de María Teresa a longo prazo, segundo Lazareff.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.