Sibéria pode ter sido ocupada pelo homem há 31 mil anos

A inóspita Sibéria Ártica pode ter sido ocupada por seres humanos muito antes do que se imaginava até agora. Um grupo de cientistas russos descobriu artefatos com 31 mil anos no vale do Rio Yana, 500 quilômetros acima do Círculo Ártico. A descoberta antecipa a ocupação humana no Ártico Asiático em 16 mil anos. O estudo com as novas evidências, publicado na revista Science, ajudará os cientistas a reconstruir a história de ocupação humana das Américas, pelo braço de terra que existia no Estreito de Bering. "É um sítio muito importante", disse Donald Grayson, paleantropologista da Universidade de Washington, em Seattle, sobre a descoberta. Sob a coordenação do arqueologista Vladimir Pitulko, do Instituto de História da Cultura Material em São Petersburgo, na Rússia, a equipe de cientistas descobriu artefatos similares aos deixados pelo povo Clovis - grupo que até então teria sido o primeiro a chegar na América do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.