Simulação assusta EUA durante ato do 11 de Setembro

As homenagens às vítimas dos ataques do 11 de Setembro ontem, no oitavo aniversário do atentado terrorista, foram temporariamente ofuscadas por um treinamento da Guarda Costeira que deixou muitos americanos em pânico. A CNN captou conversas do rádio da Guarda Costeira de Washington em que se ouvia: "Atirem nos barcos suspeitos." A emissora rapidamente pôs no ar as imagens de um suposto confronto com um barco no Rio Potomac, perto do Pentágono. A comitiva do presidente Barack Obama havia acabado de cruzar o rio rumo à Casa Branca, depois de o presidente ter participado de uma homenagem às vítimas do ataque no Pentágono.

AE, Agencia Estado

12 de setembro de 2009 | 08h30

Na realidade, nenhum tiro foi disparado no treinamento de sexta-feira, que era de rotina, assegurou o porta-voz da guarda, vice-almirante John Currier. Mas o FBI não havia sido informado sobre o exercício, assistiu aos relatos na TV e suspendeu todos os voos no aeroporto Reagan National por meia hora. O incidente foi comparado a um fiasco do início do ano, em que o avião presidencial voando baixo em Manhattan assustou muitos nova-iorquinos, pela lembrança da colisão dos jatos com as torres gêmeas. Soube-se depois que se tratava de uma foto para o governo, mas o coordenador do evento, que não havia informado ninguém, teve de pedir demissão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUA11 de Setembrosusto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.