Sinagoga sofre atentado em Campinas

A sinagoga da Sociedade Israelense brasileira Beth Jacob, de Campinas, interior de São Paulo, foi alvo de um atentado no final da noite de sexta-feira, 4. Dois homens brancos usando roupas escuras atiraram quatro pedras e um coquetel molotov contra os vidros da porta da entrada principal do local. As chamas foram contidas por vizinhos com extintores de incêndio. Os agressores fugiram em um carro que os esperava próximo ao prédio. Na calçada em frente à Sociedade os homens escreveram, com tinta amarela, a seguinte frase: "Líbano o verdadeiro Holocausto Líbano".Em Campinas a comunidade israelense é formada por 180 famílias, aproximadamente 480 pessoas, segundo o presidente da Sociedade, Pedro Tiago. Não é a primeira vez que acontecem atentados contra eles. "Há 13 anos foi um coquetel molotov e há dez anos um disparo de arma de fogo. Já perdemos as contas das pichações e das ameaças feitas por cartas e telefonemas", disse o presidente.O conselheiro da Sociedade, Marcelo Firer, afirmou que a comunidade israelita está em paz em Campinas. "Não sabemos de onde partiu esse atentado que obviamente tem motivação no atual conflito. Sabemos, no entanto, que existem falsos solidários com a palestina e os libaneses que podem querer apenas desestabilizar a situação", afirmou. No momento do atentado não havia ninguém no prédio.A Sociedade, formada há 90 anos em Campinas, está no prédio atacado desde o início da década de 50. A segurança será reforçada, avisou Tiago. De acordo com o delegado do 1º Distrito Policial de Campinas, Rodrigo Monteiro, as pedras e o coquetel molotov tiveram a intenção de provocar grandes estragos. A polícia começa a investigar o crime na próxima segunda-feira, quando ouvirá as primeiras testemunhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.