Sindicais italianas convocam greve para 16 de abril

As três maiores centrais sindicais italianas anunciaram hoje uma greve geral de milhões de trabalhadores em abril, a fim de demonstrar sua oposição às propostas do governo que têm como objetivo afrouxar as rígidas leis trabalhistas italianas e facilitar a demissão de trabalhadores.Falando logo depois do anúncio da greve, prevista para 16 de abril, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, reagiu severamente e insistiu em que vai continuar a pressionar para a realização das reformas.?Os sindicatos não podem ter poder de veto", disse o primeiro-ministro. "O governo está muito aberto para o diálogo com qualquer um. Mas precisamos observar que nem todos querem o diálogo."As centrais sindicais e o governo têm tido conflitos há meses por causa das leis trabalhistas. As tensões aumentaram na semana passada, após o assassinato de Marco Biagi, um assessor do governo que trabalhava nas reformas. O grupo terrorista de esquerda Brigadas Vermelhas reivindicou a autoria do assassinato.Nesta terça-feira, Berlusconi se referiu às propostas do governo como "reformas de Marco Biagi", e disse que ele não se intimidaria com o ataque. "Essas reformas são a única resposta possível", disse ele.Líderes empresariais afirmam que as mudanças nas leis trabalhistas são essenciais para que a Itália possa competir na Europa. Os sindicatos e os partidos esquerdistas, no entanto, argumentam que a legislação tornaria fácil demais a demissão de trabalhadores, por parte dos empregadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.