Sindicalistas britânicos boicotam discurso de Blair

O primeiro-ministro britânico e líder trabalhista, Tony Blair, recebeu uma tensa despedida em seu último pronunciamento como premier durante o encontro anual dos sindicatos britânicos.Mais de uma dezena de delegados deixaram o auditório para protestar contra os esforço do premier para privatizar parcialmente os serviços públicos britânicos. Entre os sindicalistas que permaneceram, muitos vaiaram e interromperam o pronunciamento do premier assim que ele tocou em pontos delicados como a guerra do Iraque.Os sindicatos são um dos pilares de sustentação do Partido Trabalhista britânico.Após uma viagem tumultuada para o Oriente Médio, onde foi alvo de protestos, e em meio a uma amarga disputa interna sobre quando deixará o gabinete, Blair teve que enfrentar a dura audiência do Congresso dos Sindicatos da Grã-Bretanha.Muitos sindicalistas se revoltaram contra os planos de privatização do governo e contra a guerra no Iraque. No início do discurso de Blair, manifestantes levantaram cartazes com os dizeres "Vá Embora agora!", mas o premier agradeceu aos delegados em tom de brincadeira. "Pela bela introdução: mais ou menos", disse.Alguns dos cerca de mil sindicalistas que permaneceram no auditório durante o pronunciamento do premier gritaram e interromperam Blair quando ele mencionou o Iraque, o Afeganistão e o conflito entre Israel e os palestinos. Esses são alguns dos pontos que revoltaram muitos dos membros do partido de Blair, o Trabalhista. No auge da crise interna da agremiação, na semana passada, Blair viu-se obrigado a anunciar uma data para deixar o gabinete, o que deve ocorrer no início do ano que vem."Vocês podem protestar contra o envio das tropas, mas a razão pela qual nossos soldados estão no exterior é que os governos democráticos do Afeganistão e do Iraque precisam dos nossos homens", disse Blair em resposta aos protestos. "Vocês podem discordar, mas apenas ouçam aos argumentos."Ainda assim, Blair terminou seu pronunciamento com uma defesa espirituosa de suas conquistas à frente do governo britânico. Para muitos, as palavras soaram como o início de um esforço para relembrar os britânicos do porque eles sentirão falta do premier assim que ele deixar o gabinete. "Para aqueles que ainda acham que um dia terão um governo em que tudo está perfeito, esqueçam", disse ele, após destacar a redução no desemprego, a melhoria nos serviços públicos e a ampliação das ajudas para os pobres e idosos. "Mas o que teremos é progressos se tivermos coragem e determinação para permanecer no governo."Condenando os manifestantes que deixaram o auditório ao invés de lhe dirigir perguntas, Blair concordou em responder a uma série de desafios lançados pelos sindicalistas após seu discurso. A maioria das reclamações focaram na privatização de serviços públicos como assistência médica, educação e prisões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.