Sindicatos italianos prometem greve se houver guerra

As mais poderosas organizações sindicais italianas anunciaram que iniciarão greves e manifestações por todo o país se uma guerra liderada pelos Estados Unidos for iniciada contra o Iraque. As organizações CGIL, CISL e UIL representam milhões de trabalhadores e aposentados e já realizaram diversas passeatas e greves."Com a eventual deflagração da guerra, a CGIL, a CISL e a UIL convocarão greves, paralisações e manifestações por toda a Itália, em todas as cidades", prometeram os líderes dos três movimentos numa declaração conjunta, divulgada hoje.As três organizações sindicais "consideram ilegítima a decisão norte-americana de dar um ultimato ao Iraque, adotada à margem da autorização das Nações Unidas ... e que provavelmente colocará em risco a ordem mundial baseada na segurança e na recusa da guerra como instrumento para solucionar controvérsias internacionais".A oposição à guerra é altíssima na Itália. Manifestações pela paz reuniram centenas de milhares de pessoas nas últimas semanas.No entanto, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, despontou como um firme defensor das pretensões belicistas do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.Nesta terça-feira, os sindicatos pediram uma reunião urgente com Berlusconi. Os líderes sindicais pretendem "pedir ao governo italiano que não forneça homens, estruturas militares nem infra-estrutura logística" para a guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.