Sindicatos peruanos cancelam protestos após atentado

Como prova de solidariedade após o atentado à bomba desta quarta-feira à noite, organizações populares anunciaram nesta quinta-feira o cancelamento de protestos e mobilizações que seriam realizadas durante a visita do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ao Peru.Ministros de Estado conversaram com os sindicatos e outras organizações populares para pedir a suspensão das manifestações que planejavam fazer entre esta sexta e sábado, quando Bush chegará ao país.O pedido ministerial foi imediatamente acatado por dois grupos - a Frente de Defesa dos Interesses de El Callao e a Coordenadoria Metropolitana do Copo do Leite, um programa social para crianças e gestantes necessitadas."Lamentamos e rechaçamos totalmente qualquer ato de violência. Estaremos do lado do governo e de todas as medidas tomadas em favor da paz", disse Iris Rocha, presidente do programa Copo de Leite, em entrevista coletiva.Por sua vez, Eber Cueva, presidente da Frente de Defesa dos Interesses de El Callao, disse que a decisão de cancelar as mobilizações "não significa abandonar os princípios de luta". Enquanto isso, outras organizações mostraram-se dispostas a suspender suas manifestações e vinham fazendo consultas com seus dirigentes.Entre esses grupos, o ministro da Educação do Peru, Nicolás Lynch, menciou a Confederação Geral de Trabalhadores, maior sindicato do país, a Confederação Intersetorial de Trabalhadores Estatais, o Partido Comunista Peruano e o Partido Comunista do Peru Pátria Vermelha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.