Sindicatos uruguaios fazem greve por alta de salário

Uma greve geral de quatro horas de advertência afetou, na manhã de hoje, escritórios do governo e indústrias no Uruguai, com os sindicatos exigindo aumentos salariais e a revogação de uma lei de anistia que favorece militares da ditadura, que durou entre 1973 e 1985.

AE, Agência Estado

16 de novembro de 2010 | 15h53

A greve, convocada pela federação Plenária Intersindical dos Trabalhadores - Convenção Nacional dos trabalhadores, é a quinta seguida neste ano. O pedido para a revogação da lei da anistia parece desnecessário, uma vez que não existe apoio no Senado para tal. Ao mesmo tempo, começou hoje uma greve dos médicos no país inteiro, que apenas manterão o atendimento de emergência durante 48 horas.

A agitação sindical no Uruguai se acelera no mesmo momento em que o presidente do país, José Mujica, pediu mais investimentos dos empresários. Mujica está atualmente no Equador. "Nunca deveríamos esquecer esse fenômeno silencioso que é um novo investimento e que necessita de um ambiente de confiança. São necessárias relações entre empregados e patrões que procurem não afetar o interesse conjunto", disse Mujica. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
grevesindicatoUruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.