SIP condena Chávez por limitar liberdade de expressão

ORANJESTAD

AP, Afp, Efe e Reuters, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2010 | 00h00

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou ontem as ações do governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, contra a liberdade de expressão no país. Durante reunião em Aruba, a organização afirmou que o gabinete de Chávez trabalha para "eliminar os meios de comunicação independentes" por meio do fechamento de emissoras de rádio e da Rádio Caracas Televisão Internacional (RCTV), tirada em janeiro da grade de operadoras de TV a cabo.

A entidade ainda pediu que a Organização dos Estados Americanos (OEA) negocie uma visita ao país da Comissão Interamericana de Direitos Humanos e da Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão. O governo venezuelano não autoriza visitas dos dois órgãos desde 2002.

Um dia antes, a SIP também denunciou as tentativas de Chávez de restringir o conteúdo da internet na Venezuela. Em seu programa semanal de rádio e TV, Alô, Presidente, Chávez se defendeu das acusações, afirmando que o uso da internet cresceu "mais de 900%" durante os mais de dez anos de seu governo.

"Ninguém menciona isto. Ao contrário, as notícias voam pelo mundo dizendo que vamos acabar com a internet, que vamos restringir o serviço", afirmou o presidente venezuelano. "Isto é mentira, claro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.