Síria acusa rebeldes de atear fogo em poços de petróleo

Um bombardeio pesado nos arredores da cidade síria de Aleppo, levou à fuga de civis da região e a agência de notícias estatal acusou rebeldes de tentar desestabilizar o governo, atendo fogo em três poços de petróleo.

Agência Estado

31 de março de 2013 | 15h09

A guerra civil na Síria abalou a infraestrutura do país e, depois de mais dois anos de conflitos, nem o regime do presidente Bashar Assad, nem os rebeldes parecem perto de uma vitória.

A agência de notícias estatal Sana informou que os rebeldes incendiaram os poços de petróleo na província de Deir al-Zour, causando a perda diária de 4,670 barris de petróleo e 53 metros cúbicos de gás natural. A agência acusou "terroristas", o termo usado pelo governo para se referir aos rebeldes, pelos atos.

Também neste domingo, o governo e a oposição culparam um ao outro pela morte de um grupo de pessoas perto da fronteira com o Líbano. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Bashar AssadAleppoSana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.