Síria adverte embaixadores a não viajar sem permissão

Diplomatas da França e EUA irritaram governo ao visitar, há duas semanas, cidade de Hama

AE, Agência Estado

20 de julho de 2011 | 12h05

BEIRUTE - A Síria advertiu nesta quarta-feira, 20, os embaixadores dos Estados Unidos e da França a não viajarem para fora da capital sem permissão. A medida foi tomada duas semanas depois de os diplomatas irritarem o governo ao visitar a cidade de Hama, que se tornou o centro do levante no país, que já dura quatro meses.

 

Veja também:

link Tropas sírias cercam subúrbio de Damasco após protestos

link Síria usa apoio do Brasil para promover Assad

link Planalto recebeu enviado de Damasco

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Se os embaixadores desobedecerem a ordem, o governo vai proibir todos os diplomatas de saírem de Damasco, disse o ministro de Relações Exteriores Walid al-Moallem, durante uma palestra na Universidade de Damasco.

 

"Nós não expulsamos os dois embaixadores porque queremos que as relações se desenvolvam no futuro e para que seus governos revisem suas posições em relação à Síria", afirmou al-Moallem. "Se isso se repetir, vamos impor uma proibição que impeça os diplomatas de se afastarem mais de 25 quilômetros de Damasco", disse ele.

A Síria está sob fortes críticas e sanções internacionais por causa da repressão contra os dissidentes. Segundo ativistas, a violência já matou pelo menos 1,6 mil pessoas, a maioria manifestantes desarmados. O regime proibiu a ação da mídia internacional e restringiu a cobertura dos meios de comunicação locais, o que torna praticamente impossível verificar os dados de forma independente.

Nos dias 7 e 8 deste mês, o embaixador norte-americano Robert Ford e seu colega francês Eric Chevallier viajaram separadamente para Hama para expressar seu apoio ao povo sírio, que se manifesta pacificamente. Moradores de Hama afirmaram à AP que a visita ajudou a evitar ataques das forças de segurança.

Prisões

Hoje, forças de segurança vasculharam bairros rebeldes, detendo dezenas de pessoas, dentre elas George Sabra, um importante integrante da oposição, informaram ativistas. Líder do exilado Partido Nacional Democrata, ele foi detido em sua casa no subúrbio de Qatana, em Damasco, informaram os Comitês de Coordenação Locais, que auxiliam na organização de documentação dos protestos na Síria. Foi a segunda detenção de Sabra desde o início dos protestos. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.