Síria amplia repressão mesmo com chegada de missão árabe

Ao menos 21 pessoas foram mortas ontem, um dia após opositores denunciarem o massacre de 111 em vilarejo

BEIRUTE, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2011 | 03h08

Tropas do regime de Bashar Assad prosseguiram ontem com a ofensiva a dissidentes nos principais redutos rebeldes, apesar da chegada ao país de uma equipe da Liga Árabe designada para monitorar o cumprimento de um plano de paz para Damasco.

Após a oposição denunciar a morte de mais de 250 pessoas entre terça e quarta-feira, e a ONU estimar em 5 mil o número de mortos desde março, o governo sírio disse ontem que 2 mil de seus soldados e policiais foram mortos desde o início da crise.

Ao menos 21 pessoas foram mortas ontem, segundo entidades ligadas aos ativistas. Na Província de Deraa, onde a insurgência começou, tanques invadiram ontem a cidade de Dael. Houve confronto e 15 militares, além de 6 desertores do Exército e 1 civil morreram. Dezenas de civis ficaram feridos.

Segundo o Conselho Nacional Sírio, de oposição, as forças de segurança sírias mataram 111 civis e ativistas na Província de Idleb, no noroeste do país e na fronteira com a Turquia - um ataque que a França condenou como um "massacre sem precedentes". Além disso, mais de cem desertores do Exército foram mortos.

As autoridades da Liga Árabe enviaram uma missão de monitoramento encarregada de assegurar que Assad cumpre seu compromisso para pôr fim à violência no país. O plano inclui retirada das tropas, libertação de prisioneiros e diálogo com a oposição.

Fontes da Liga Árabe disseram que a equipe inicial, chefiada por uma representante de alto escalão, Samir Seif al-Yazal, é formada por cerca de dez pessoas, incluindo especialistas financeiros, administrativos e jurídicos para assegurar que os monitores tenham livre acesso por toda a Síria. O grupo principal, de 150 observadores, deve chegar à Síria no fim do mês. A oposição suspeita que Assad aceitou o envio da missão apenas para ganhar tempo e evitar mais sanções. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.