Síria apresenta provas de que instalação de armas químicas foi destruída

Especialistas da Opaq já verificaram 22 dos 23 locais onde está o arsenal químico do regime de Assad

Agência Estado

07 de novembro de 2013 | 09h25

O governo sírio entregou a especialistas internacionais um vídeo e provas fotográficas para mostrar que uma instalação de armas químicas nas proximidades da cidade de Alepo foi desmantelada e abandonada, informaram inspetores nesta quinta-feira, 7.

Com esta documentação, os especialistas da missão conjunta da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) e da Organização das Nações Unidas (ONU) concluíram a verificação de 22 das 23 instalações de arsenal químico declaradas pela Síria.  No mês passado, os inspetores já haviam visitado 21 locais e não conseguiram ir aos outros dois por causa dos confrontos na região.

As fotografias e imagens fornecidas pelo governo do presidente Bashar Assad mostram a instalação vazia e com "graves danos provocados por batalhas", segundo declaração da missão Opaq-ONU. Não foram divulgados detalhes sobre quando os danos teriam ocorrido.

As imagens foram feitas por uma câmera inviolável que os inspetores ajustaram a um sistema de GPS para que a localização pudesse ser rastreada, diz o comunicado, que também informa que as fotografias e o vídeo foram autenticados por inspetores internacionais.

A missão conjunta não divulgou o local da última instalação que falta ser inspecionada. Na semana passada, os inspetores disseram que a Síria havia atendido ao prazo final de 1º de novembro para destruir ou "inutilizar" toda a produção de armas químicas e o maquinário para misturar os agentes e preencher munições.

Acredita-se que a Síria tenha cerca de mil toneladas de armas químicas, que incluem gás mostarda e sarin./AP

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaarmas químicasOpaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.