AFP
AFP

Síria cometeu crimes de guerra antes da trégua imposta pela ONU, diz ONG

Grupo de direitos humanos Human Rights Watch citou ofensivas contra oposição

Reuters,

02 de maio de 2012 | 11h30

BEIRUTE - Forças do governo da Síria mataram pelo menos 95 civis, muitos a sangue frio, e destruíram centenas de casas em uma ofensiva de duas semanas na província de Idlib, norte do país, durante as negociações de cessar-fogo, afirmou o grupo de direitos humanos Human Rights Watch nesta quarta-feira, 2.

Veja também:

linkONU tenta aumentar número de observadores na Síria

linkForças sírias matam 9 pessoas da mesma família

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

O grupo de defesa baseado em Nova York afirmou que os crimes de guerra foram cometidos durante a ofensiva contra redutos da oposição em março e abril, enquanto o enviado de paz internacional da ONU, Kofi Annan, tentava acabar com o conflito na Síria, que já duram mais de um ano.

"Em nove incidentes separados documentados pela HRW as forças do governo executaram 35 civis sob sua custódia. A maioria das execuções teve lugar durante o ataque a Taftanaz, uma cidade com cerca de 15.000 habitantes a nordeste de Idlib, em 3 e 4 de abril", disse o grupo em um relatório.

Investigadores do HRW observaram marcas de balas na parede que formavam uma linha de 50 a 60 cm acima do chão, acrescentou o relatório, aproximadamente a altura de uma pessoa ajoelhada.

"Enquanto diplomatas discutiam sobre detalhes do plano de paz de Annan, tanques sírios e helicópteros atacaram uma cidade após a outra em Idlib ", relatou a diretora associada do programa e emergências da HRW, Anna Neistat, em um comunicado que acompanha o relatório com base em uma investigação de campo em Idlib, realizada no final de abril.

"Onde quer que fôssemos, nós vimos casas, lojas e carros queimados e destruídos, e ouvimos de pessoas cujos parentes foram mortos. Era como se as forças do governo sírio usassem todos os minutos antes do cessar-fogo para causar danos ", disse ela.

O governo sírio não se pronunciou sobre o relatório da Human Rights Watch. Ele acusa estrangeiros apoiados por grupos armados de estarem por trás da violência e de matar mais de 2.600 soldados e policiais desde que a revolta contra o presidente Bashar al-Assad começou.

A ONU diz que as forças de Assad já mataram mais de 9.000 pessoas desde o levante iniciado em março de 2011.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.