Reuters
Reuters

Síria declara que diplomatas americanos e europeus 'não são mais bem-vindos'

Ação ocorre em retribuição a expulsão de diplomatas sírios, ocorrida na semana passada

estadão.com.br,

05 de junho de 2012 | 09h14

A Síria barrou, nesta terça-feira, 5, um grupo de 17 diplomatas europeus e americanos. Eles "não são mais bem-vindos" no país, disseram as autoridades.

Veja também:

link Chávez elogia postura russa em relação ao conflito na Síria

link Rebeldes sírios anunciam fim de compromisso com plano de paz de Annan

O ministro das Relações Exteriores disse num comunicado que o governo ainda estava aberto a restabelecer relações com os representantes de Espanha, Estados Unidos, Reino Unido, Turquia, França, Itália, Suíça, Alemanha, Canadá, Bulgária e Bélgica no país: "Nós esperamos que os países que iniciaram esse processo adotem o princípio de respeito mútuo e igualdade, o que faria com que nossas relações retornassem ao normal de novo".

Na semana passada, o grupo de países atrelados à ONU expulsaram os diplomatas sírios, num movimento coordenado em represália ao massacre de Hula, em que mais de 100 civis foram mortos. A ONU diz que o regime pode ser responsável por pelo menos algumas das mortes.

Com informações da Reuters e AP

 
Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaONUDiplomatas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.