Síria diz que forças de segurança 'completaram missão' em Latakia

Exército sírio disse ter acabado com os 'grupos terroristas armados' no bairro de Al Raml

Efe

17 de agosto de 2011 | 10h22

CAIRO - O Ministério do Interior sírio declarou nesta quarta-feira, 17, que as forças de segurança, apoiadas por uma unidade do Exército, "completaram" sua missão e acabaram com os "grupos terroristas armados" no bairro de Al Raml, na cidade litorânea de Latakia.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

O general Mohammed Hassan Al Ali anunciou que a unidade militar começou a retirada de Al Raml após terminar sua missão, e acrescentou que "a vizinhança está se recuperando e os cidadãos estão levando sua vida normal, que havia sido dificultada pelas ações dos grupos terroristas", segundo a agência oficial "Sana".

 

 

O bairro Al Raml, em Latakia, foi alvo de bombardeios e disparos ininterruptos durante quatro dias que causaram mais de 30 mortes e obrigaram milhares de palestinos a fugir de um campo de refugiados, segundo ativistas da oposição.

 

Segundo uma fonte oficial não identificada revelou à "Sana", os agentes de segurança continuam a limpeza das barricadas instaladas pelos supostos grupos armados no bairro.

 

A fonte acrescentou que as forças de segurança prenderam um número indeterminado de pessoas e que alguns "homens armados" fugiram de Al Raml para distritos próximos, onde "abriram fogo e explodiram cartuchos de dinamite, causando mortes e aterrorizando os civis".

 

Segundo as autoridades, os agentes do regime continuam perseguindo estes "homens armados para restaurar a tranquilidade e a segurança nessas áreas".

 

Este suposto final das operações no bairro de Al Raml é divulgado horas depois que o governo anunciou o início da retirada das tropas de Deir ez Zor, após "limpar a cidade dos grupos armados terroristas que amedrontavam os cidadãos".

 

Apesar destes anúncios, os ativistas da oposição denunciam que a campanha de repressão do regime prossegue em diferentes partes do país.

 

Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, uma pessoa morreu nesta quarta-feira baleada pelas forças de segurança quando se encontrava na janela de sua casa no povoado de Abdita, na província de Idleb.

 

Além disso, dezenas de ativistas foram presos em uma batida realizada pelas forças de segurança no bairro de Rokn al Din, em Damasco.

 

Em Rif Damasco, cinco ativistas foram presos nesta segunda-feira à noite quando agentes das forças da ordem invadiram várias casas e fazendas do povoado de Muazameyet al-Sham, de acordo com a mesma organização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.